topo
 
 
Alfredo Sirkis - RJ
Tamanho da Letra:  -A  +A

A hora do Movimento
A crise do PV e as perspectivas do Movimento dos Verdes e Cidadania

Alfredo Sirkis

É inacreditável mas simplesmente não houve resposta do presidente do PV, José Luiz Penna e de seu grupo do qual faz parte do deputado José Sarney Filho, às condições mínimas para nossa permanência expostas no meu blog de 19/6. Isso confirmou minha impressão de que na verdade essas pessoas desejavam ardentemente a saída de Marina Silva do PV. O prejuízo para o partido é abissal. Claro, para quem raciocina em termos da causa verde, de seu espaço na política institucional brasileira, no seu papel transformador da realidade. Para quem quer dispor apenas de um pardideco para fazer business as usual na política brasileira, inserir-se no processo fisiológico e clientelista que domina e desgraça nossa democracia, tudo bem. Melhor assim, sem Marina e seus 20 milhões de votos.

Estou me afastando politicamente do partido que fundei em janeiro de 1986, no Teatro Clara Nunes, Rio de Janeiro, junto com Fernando Gabeira, Lucélia Santos, John Neschling, Carlos Minc, Hebert Daniel, Guido Gelli e Luis Alberto Py. Apenas Gabeira e eu restávamos. O partido parece ter entrado em decadência sem ter amadurecido. Cumpriu o papel de difundir as idéias verdes que hoje, em boa parte, ao contrário dos anos 80, estão assimiladas por grande parte da sociedade brasileira e das instituições com graus variáveis de sinceridade. Mas, como instrumento de transformação e mudança chegou ao seu limite por que se recusa a crescer para disputar o poder e fazer valer suas idéias. O aspecto central da crise do PV é o pavor que a burocracia partidária nutre em relação a qualquer perspectiva de ampliação democrática do partido. Fizeram do partido um cartório, estão com ele debaixo do braço e assim ficarão. Vão fazê-lo funcionar cada vez mais como uma “legenda” dominada por políticos tradicionais que defendem uma ou outra bandeira verde e burocratas que vem no partido apenas uma fonte de emprego.

Por falta absoluta de opção –os outros partidos todos são piores ainda-- muita gente boa irá ficar, sobretudo quem pensa disputar as eleições municipais de 2012. Nós parlamentares ficamos numa sinuca de bico diante das imposições legais da resolução 22610 do TSE que coloca em risco o mandato que nosso eleitores nos deram em caso de desfiliação. Para não correr o risco e enfrentar o divisionismo de ter que defender o mandato no TSE, estou procurando uma fórmula de licença do partido por tempo indeterminado que expresse meu afastamento político em relação às não-democráticas instâncias partidárias sem comprometer a integridade do meu mandato popular como representante de um segmento da população carioca e fluminense.

Mais importante, no entanto, que a crítica aos descaminhos do PV é buscar novos caminhos que passam pelo movimento que iremos estruturar e que estou conceituando como Movimento dos Verdes e Cidadania o que poderá ou não ser seu nome. Poderíamos criar um partido no imediato, ainda daria tempo e há cerca de 30 parlamentares que gostariam de estar num partido com Marina. Mas fazê-lo agora seria trocar seis por meia dúzia. Nada garante que logo não tivéssemos os mesmos problemas. Por isso é importante começar com um movimento que busque canalizar o potencial que se esboçou na campanha presidencial. Não serão 20 milhões mas serão alguns milhões. Deverão se estruturar numa rede via internet que desenvolva ferramentas participativas, de mobilização e processos de decisão e escolha on line. Queremos tomar partido das novas tecnologias para criar um movimento político capaz de fazer valer a voz e a opinião de muito mais gente do que normalmente se mobiliza nos partidos.

Após as eleições de 2012 chegará a hora da verdade para verificar se o PV, de fato, ainda pode ser utilizado como um instrumento de participação eleitoral-institucional da causa verde ou se já estará tão irremediavelmente deteriorado e descaracterizado que o movimento seja obrigado a produzir seu partido, o partido do movimento dos VERDES.

Nessa fase anterior às eleições de 2012 as relações entre o Movimento e o PV dependerão da qualidade do PV em cada município. Lá onde o PV for fiel às suas origens e estiver de fato disputando as eleições para fazer valer um programa verde e eleger prefeitos e vereadores autenticamente verdes o Movimento irá apoiar seus candidatos. Lá onde for uma mera legenda a serviço de políticos tradicionais querendo fazer carreira sobre uma sigla “simpática”, não obrigado. Ali o Movimento apoiará dos candidatos mais próximos a um programa verde estejam em que outro partido estiverem. Haverá uma relação entre Movimento e PV que só será conflituosa lá onde o partido não honrar suas raízes. Por isso não pretendo mais perder tempo com Penna, Zequinha e a burocracia do cartório verde. Nada como um dia atrás do outro e bola pra frente.


 
Total: 51   | 1 a 10 |   «   »
29/01/2015 - 10:32
Tiro no pé
Alfredo Sirkis - RJ
29/01/2015 - 08:01
Armadilhas na legislação anti-homofobia
Alfredo Sirkis - RJ
28/01/2015 - 12:25
A revolta da catraca
Alfredo Sirkis - RJ
24/12/2014 - 11:44
A revolta da catraca
Alfredo Sirkis - RJ
08/08/2012 - 13:41
Negacionismo climático: o desmoronamento.
Alfredo Sirkis - RJ
03/06/2011 - 20:16
Resumo do primeiro capítulo de O Efeito Marina
Alfredo Sirkis - RJ
30/07/2010 - 23:16
Relembrando minha campanha presidencial de 1998
Alfredo Sirkis - RJ
29/07/2010 - 12:15
Clima: os riscos exponenciais
Alfredo Sirkis - RJ
23/07/2010 - 12:01
Revitalização no Chelsea
Alfredo Sirkis - RJ
18/07/2010 - 11:25
Centros Assistenciais e voto jabuticaba
Alfredo Sirkis - RJ